sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Voltar onde já fui feliz...à cozinha!



Costumo brincar e dizer que não sei cozinhar, mas a verdade é que na minha "outra vida", a responsabilidade pelas refeições familiares era exclusivamente minha. Tratava-se, contudo, de mais uma tarefa doméstica que cumpria mecanicamente, até porque a criatividade que punha nos pratos era praticamente zero. Fazia o que tinha a fazer para alimentar a família, mas não fugia do tradicional e do básico, sem espaço para a inovação e, talvez por isso, para o prazer.
Curiosamente, quando penso na minha infância, são os sabores e os cheiros dos cozinhados da minha avó Auzenda que me chegam logo: o bolo de mel, as torradas com chá de limão, o coelho de escabeche, as rabanadas, os bifinhos à China, as açordas. Lá atrás, o meu mundo está cheio de memórias gastronómicas, e não é por acaso que a nossa televisão está sempre em canais de cozinha, e que as minhas prateleiras estão repletas de livros de cozinha. Livros que devoro de fio a pavio mas que, nestes anos todos, nunca me serviram para fazer receita nenhuma. Acho que porque meti na cabeça que cozinhar com esmero não era para mim.
Com esta mudança de alimentação, no entanto, voltei aos tachos e às panelas. E voltei à praça onde ia com a minha mãe e com a minha outra avó, mais ou menos com a idade da minha filha. Passei a ter cuidado na escolha dos ingredientes, a ser bastante mais criteriosa em tudo o que ponho na mesa, a planear os menus da semana e {a minha maior conquista!}, ganhei prazer em cozinhar.
Estou feliz com isto, a verdade é essa. Ando orgulhosa comigo mesma, acordo a pensar no pequeno-almoço {esse, na maioria das vezes, da autoria do meu chef privado}, e adoro os sábados de manhã, quando vou ao mercado biológico ou à praça fazer grande parte das compras da semana.
Não sei se isto é um "admirável mundo novo", se um regresso às origens. Em qualquer dos casos, é como se me redimisse destes anos em que virei as costas a algo que também me construiu e que tinha esquecido.

[adoro-te, avó. Estás aqui comigo]

2 comentários:

Bailarina disse...

Adoro, adoro, adoro! Para mim não é um frete, nem é feito mecânicamente, é um prazer.

Parabéns pelo volta das memórias
Bom FDS

Carla Carvalho disse...

Pois eu nao sei cozinhar...so sei fazer o muito básico.E vou confessar se nao fosse a minha querida mãe ai ai ai...aqui em casa o marido passaria mal.Pois para mim qualquer coisa esta bem.A verdade e que durante a gravidez e agora com o bebé ja me aventuro mais, porque quero comer saudável e variar.Marta sempre que vejo as fotos dos seus pequenos almoços...penso...hum aquilo deve ser delicioso.Adoro as receitas que vai partilhando.E graças a tudo isto estou a aventurar-me.Obrigada Marta