quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

"O que farias se não tivesses medo"

Ontem fui assistir à peça Conversas sérias com Marta Gautier: o que farias se não tivesses medo", em cena no Teatro Villaret.
Para quem não sabe ao que vai {e para evitar idas ao engano}, a Marta está sozinha em palco durante cerca de duas horas e fala sobre si própria, sobre o seu percurso tantas vezes doloroso e sobre os seus medos.
Não esperem uma peça de teatro, mas quase uma sessão de Psicoterapia, já que de forma humilde e cruamente autêntica, a Marta expõe parte da sua vida privada e revela as suas maiores inseguranças de forma desconcertantemente valente. E aparece sem máscaras, que é como quem diz, engasga-se, perde-se, às vezes, a meio do raciocínio, intervala quando lhe apetece para respirar, é uma pessoa de carne e osso em cima do palco. Não é uma personagem.
Gostei muito, muito. Saí de alma cheia, que é o melhor elogio que poderia fazer. E saí inspirada também. Porque, afinal, os medos não são uma fatalidade que nos trava a vida. Ao contrário, pode-se voar alto mortificada de medo: a minha lição de ontem.
Obrigada, Marta.




3 comentários:

Beatriz Sotomayor disse...

Também estive lá ontem, e só pensava que eu não conseguiria ali estar, a assumir as minhas fragilidades. Foi, acima de tudo um acto de coragem!

Antonio Batalha disse...

Blog encantador,gostei do que vi e li,e desde já lhe dou os parabéns, também agradeço por partilhar o seu saber, se desejar visitar o Peregrino E Servo, ficarei também radiante
e se desejar seguir faça-o de maneira que possa encontrar o seu blog, porque irei seguir também o seu blog.
Deixo os meus cumprimentos, e muita paz.
Sou António Batalha.

Diana Mora Moraes disse...

ahhh está até quando?? :)
obrigada