segunda-feira, 22 de maio de 2017

Cabelos naturais: a história da minha "transição"

A última vez que pintei o cabelo foi em Janeiro, e decidi deixar de o fazer porque estava farta de químicos e de comichões no couro cabeludo, porque andava cansada de ter de pintar cada vez com maior frequência e porque queria conhecer o meu cabelo ao natural. Na verdade, há mais de vinte anos que o cobria (já foi preto retinto, castanho, ruivo, vermelho e louro...), e a curiosidade de saber de que cor era agora, também foi umas das razões porque decidi abandonar as tintas.
Procurei informar-me sobre outras mulheres que, ainda relativamente jovens, tomaram decisões parecidas, e no meio da pesquisa, descobri que apesar de sermos cada vez mais, este ainda é um tema muito controverso, principalmente (e curiosamente!), entre as mulheres. Recebi muitas críticas nas redes sociais e algumas na vida real. Houve quem tentasse dissuadir-me a bem e a mal, quem me dissesse que iria ficar velha, com um "ar pesado", e houve até quem dissesse que os meus filhos iriam ter vergonha de mim, por passar a parecer a avó nas reuniões da escola. Tive críticas construtivas, destrutivas, gratuitas e tive comentários maravilhosos de gente que não me conhece, mas que me deu uma força enorme. Ainda assim, a grande motivação chegou de casa: do meu marido (apoiante desde a primeira hora), da minha mãe (curiosa por todas as mudanças feitas com convicção), e dos meus filhos, assustados no início, mas eternamente tolerantes com as novidades que, às vezes, lhes apresento de repente. A todos eles, obrigada por me aceitarem como sou.
Esta história não estaria completa sem referir as "mulheres guerreiras" que me têm apoiado nesta viagem desde o momento em que criei o grupo de facebook, Mulheres de Prata. Já o disse aqui e repito: criei-o por razões meramente egoístas, porque não queria ficar sozinha neste "barco". Mas rapidamente o grupo se transformou em muito mais que isso. A motivação, o foco, a troca de informações, a generosidade de todas, tem sido uma descoberta maravilhosa e um excelente exemplo do que podem ser as redes sociais feitas por gente boa. O grupo conta hoje com mais de 1600 membros, mulheres que já são prata, que estão a caminho, que querem ganhar coragem, ou que simplesmente têm curiosidade sobre o tema. Todas as razões são válidas, desde que cheguem por bem.
Não pretendo catequizar ninguém para este processo. Estou muito feliz com o resultado (já não tenho praticamente tinta nenhuma), mas é a minha experiência, apenas isso. Ainda assim, há uma coisa que defendo acesamente desde que iniciei a minha transição: o direito que todas as mulheres têm de serem elas próprias, sem críticas alheias, nem pressões. O direito que todas temos de fazer as nossas escolhas, mesmo que elas possam parecer incompreensíveis, fora de tempo, desnecessárias.

À porta dos 43, cruzo-me ao espelho com esta nova mulher e mal me reconheço. Dou por mim a experimentar um estilo diferente e a ponderar usar roupa e acessórios que nunca antes ponderara, e vem-me à cabeça sempre a mesma ideia: nunca é tarde para recomeçar nada, para ser nada, para arriscar nada. E se esta história tem uma lição, é somente esta.

9 comentários:

Sofiazinha disse...

Está fantástica!

Acima de tudo importa é o bem estar próprio. Não é egoísmo nem é desleixo, mas sim aquela outra coisa: está bem resolvida. E isso, ninguém tira a ninguém, mas chateia muita gente!

Força. Adoro o grupo, não sou mulher de prata, vou fazer 40 no final do ano e já tenho uns cabelos brancos... mas não os pinto, nem faço madeixas. O meu cabelo é seco, muito seco e esse é o motivo para ter deixado de fazer as madeixas. Se um dia não gostar de me ver a ficar branca ou se um dia tiver saudades dos cabelos aloirados logo tratarei do assunto. Até lá, estou bem!

Anónimo disse...

Mas a verdade é que não lhe fica nada bem, minha querida. Pessoalmente não gosto, parece mais velha. Mas a verdade é que quem te que gostar é a senhora. E se se sente bem assim, que sou eu... :) um beijinho e tudo de bom

manuela carvalho disse...

Ficou super gira!! E sim, fê-lo na altura certa, em que tem uma carinha muito laroca, que lhe permite fazer essa mudança de forma tranquila e ainda por cima continuar com um ar super jovem! Beijinho, Manuela

Juvenália Dorotea disse...

Respeito, mas não entendo quem diz que ficas mais envelhecida.
Ao contrário, acho que estás com um ar muito mais leve e jovem.
Envelhecidas ficam as mulheres e há muitas, até na comunicação social,que teimam em manter cabelo escuro e longo apesar de já não estarem nem na casa dos 30. Aliás, nas fotos que postaste de anos anteriores percebe-se claramente onde tens um ar mais pesado e envelhecido e toda a gente sabe que as cores escuras, até mesmo na roupa envelhecem muito mais que cores claras. A Natureza é muito sábia e a historia do cabelo branco envelhecer, é puro preconceito.
O que verdadeiramente envelhece é um rosto muito vincado, quantas vezes fruto de uma expressão sempre carrancuda e a falta de uma maquiagem adequada também à idade.

Aline Brito Paiva disse...

Olá Marta!
Acho-a com uma coragem de leoa e a verdade é que é a Marta que tem de se sentir bem com o seu visual.
Mas a mim faz-me impressão, confesso. O corte, a cor grisalha, acho que merecia mais, como estava antes, tão bonita.
Mas está feliz, vê-se. E isso sim, é o importante.
Não concordo com a sua mãe: uma coisa é andar-se a tentar parecer mais novo à força quando a idade já não ajuda mesmo. Outra coisa é você ser tão nova e de repente parecer mais velha. Mas são opções!
Um Grande bjinho!

Mel disse...

Olá Marta!
Eu jurei a mim mesma que não iria comentar mais nada sobre esta sua mudança...mas não consigo!
É que ao ver esta sequência de fotografias vejo-a a ficar com um ar envelhecido que não combinada nada consigo. Faz-me confusão ver uma pessoa tão bonita deixar-se envelhecer assim, com pouco mais de 40 anos. Ok, é a sua opção, está feliz com ela, tudo bem! Mas a verdade é que fica com um ar muito mais pesado! Dizer que só porque tem cabelos brancos tem de os aceitar, a verdade é que os cabelos ficam brancos em idades diferentes, depende de pessoa para pessoa e, aos 40 anos, parece-me francamente cedo de mais. Olhe, a minha mãe começou a ficar com brancos muito cedo, por volta dos 30 e picos. Foi pintando até que por volta dos 60 começou a assumir os brancos e hoje tem um cabelo branco lindo que lhe fica muito bem! Mas tem 82 anos!
Outra coisa: o meu marido foi um filho tardio, à época, já que a mãe tinha ultrapassado os 40 anos. Quando ele era adolescente e a mãe ia à escola, perguntavam-lhe se era a avó dele (era frequente, haver pais emigrados e os filhos ficarem com avós), já que embora não sendo jovem, tinha um ar de avó pelos cabelos brancos que já tinha. Ele diz que se lembra de ficar triste porque aquela era a sua mãe e não a avó e ele não percebia porque diziam isso, porque para ele, de facto, a sua mãe era linda e única, mas que ficava triste, ficava!
Enfim, não me leve a mal e desculpa esta minha insistência!
Beijinhos.

Anónimo disse...

Independentemente da cor, prefiro o penteado que tinha na primeira foto.

Anónimo disse...

Se está feliz é o que importa, mas como faz disto um tema público penso que também aceita todas as opiniões. E também pertenço às que acham que ficava melhor com cabelo pintado. Para quê parecer mais velha? Porque é natural? A natureza também nos criou com pêlos... Então porque os tiramos? Mas como disse no início o importante é que esteja mais feliz assim

Anónimo disse...

Acho a sua decisão muito bonita.
Mas na minha opnião,fica tão gira de cabelos pintados. A segunda foto esta mesmo bonito o corte e a cor do cabelo,como esta agora acho que envelhece um bocado.