segunda-feira, 4 de abril de 2016

Pelos olhos de Maisie [um filme sobre a separação e sobre a Lei do Coração Elástico]


Ontem tropecei neste filme sem querer. Estava a dar na RTP1, já a acabar, mas percebi que se tratava da história de Maisie, uma menina de 7 anos enredada na separação dos pais. As duas cenas bastaram-me para decidirmos vê-lo ao serão e hoje acordei a pensar nele, como acontece sempre que gosto muito de um filme. Para além de contar com a actriz Juliane Moore {que adoro!}, fala-nos da separação aos olhos de Maisie, e de como o coração das crianças é generoso e elástico quando se trata de entrarem "novas pessoas" nas suas vidas, assim venham por bem.
Este é um tema que mexe comigo por razões óbvias, já que sou filha de pais divorciados e divorciada do pai dos meus três filhos. E também porque há já uns anos que assisto à Lei do Coração Elástico acontecer dentro de minha casa, sempre que olho para a relação dos meus filhos com o padrasto e percebo que aquela figura não vem substituir ninguém, mas pode bem construir um mundo de afectos poderoso e reparador.
Descobri que o filme foi lançado em Portugal em Abril de 2014, e pergunto-me como é que me passou ao lado. E depois penso que, de facto, só vemos aquilo para que estamos despertos e esta é a fase em que, por muitas razões, este tema me cai no colo vezes sem conta. 
Recomendo vivamente a todos aqueles que estão a passar ou que já passaram por uma separação com  filhos. E a todos os que já perceberam [ou que precisam ainda perceber], que a figura do padrasto/madrasta não tem de ser a maléfica dos contos de fadas, porque ao contrário do que pensamos, a vida real pode ser mais doce.

4 comentários:

Matilde disse...

Mais um filme com a fantastica Julianne Moore :)
A ver sem duvidas, posso ser filha duma geração tradicional mas ja passei por algumas separacoes e agora sei dar o valor :)
Beijinhossss

Vera Moniz e Medeiros disse...

Comovente! Despertou-me a curiosidade sobre ele!...

VerdezOlhos disse...

É muito verdade que só vemos aquilo para que estamos despertos, ainda na semana passada me dei conta disso, com algo que aconteceu comigo mesma.
Eu também não vi o filme mas agora que falas nele fiquei com vontade de o ver. Parece-me uma história interessante e pertinente no mundo de hoje e como filha de pais separados também confesso a curiosidade que me desperta. Obrigada por partilhares, não só o filme mas também a tua experiência pessoal que é tão rica. Beijinhos

Jardim de Chuva Prateada disse...

Aqui há dias tive para ver pela box...vai ser o próximo da minha lista. Obrigada Marta, pela sugestão. Beijinho.