terça-feira, 17 de abril de 2018

E se pudessem ter água gaseificada à distância de um botão?

[Publipost]




Apaixonamo-nos por ínfimos detalhes e desapaixonamo-nos por ínfimos detalhes. Senão vejamos: tenho um amigo que se desencantou com uma namorada quando percebeu que ela lavava a loiça com água fria; tenho um outro que confidenciou ter reparado naquela que viria a ser sua mulher, quando a viu agarrar uma chávena de café com as duas mãos, achou-lhe graça. A peculiaridade das pessoas à nossa volta é, tantas vezes, o que nos desconcerta e desarma, para o melhor e para o pior. No caso do meu homem, dizer-vos que me chamou a atenção o facto de beber água gaseificada com um prazer que demorei a entender. Explicou-me que era a única forma de matar a sede, que era a bebida mais refrescante do mundo, que ganhou o hábito com uma amiga de longa data, para quem a água com gás era uma cena de culto. Creepy, pensei.
A verdade é que tardei a perceber o interesse da coisa, mas cheguei lá. Hoje somos ambos ávidos consumidores de águas com gás e degustamos as diversas marcas existentes no mercado com a mesma devoção com que os amantes de cervejas artesanais garimpam as novidades do ramo. Há malucos para tudo.
De modo que quando descobri a máquina Sodastream, achei perfeito. Imaginem o que é poder transformar a água lisa da torneira em água gaseificada, em 6 segundos e à distância de um botão? Ainda decides o nível de gás que colocas na tua bebida e o sabor que preferes, porque a marca tem mais de 10 sabores disponíveis para todos os gostos, sem coloração artificial, sem edulcorantes artificiais e sem conservantes.
A parte ecológica da Sodastream também me desarmou, porque  a utilização de 1 garrafa sodastream substitui o consumo médio anual de 2000 garrafas de plástico convencionais por família. É assustador pensar na quantidade de plástico que uma família numerosa como a minha, deixa no planeta todos os dias...
Estamos rendidos, sim. Um nadinha viciados, confesso, mas há dependências piores.

Sem comentários: