segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Medos, fantasmas e outras personagens ridículas

Sou uma mulher de paz e de consensos. Sempre fui. E durante muitos, penalizei-me por isso. Porque me esforçava tanto por não melindrar nem magoar ninguém, que me deixava ferir sem querer e, não raras vezes, sem me queixar.
Ainda hoje, dou {quase} tudo para manter um ambiente calmo à minha volta, e continuo a lidar mal com confrontos. Perco o sono, entristeço-me com facilidade e angustio-me com mal-entendidos e palavras ditas fora do lugar. Acho sempre que numa discussão a culpa deve ser minha, e é sempre a minha posição que revejo ao deitar. Questiono-me normalmente a mim, e muito poucas vezes o outro.
Mas porque a vida nos põe à prova constantemente, tenho vindo a ser confrontada por ela, essa sábia mestra. A Vida insiste em colocar-me no caminho assuntos que não consigo resolver placidamente e atira-me para a frente, como numa arena. Os portões fecham, o público aplaude ao rubro e eu fico por lá, a degladiar-me com os meus próprios fantasmas.

Custa, custa muito.
Mas aos poucos, vou ferindo de morte um a um [os meus fantasmas].
E sobro apenas eu. 
Desses tontos, nem sombra deles.


4 comentários:

Raquel Caldevilla disse...

E que bom que assim é, minha querida! Fico muito feliz e orgulhosa por te ter por "perto", por seres uma guerreira daquelas que não perde as forças.

Eu também tenho desses problemas que às vezes parece que são fabricados apenas nos terrenos da minha cabeça e que não têm fundo de verdade. Mas a realidade é que os sinto e, se assim é, têm de ser reais, têm de ser meus e tenho de os confrontar. É difícil, dói como tudo, mas passa. E logo estaremos mais fortes. :)

Anónimo disse...

As famosas dores de crescimento. Estive numa relação durante demasiado tempo, porque tinha medo de ficar sozinha (aos 34anos...). Mas apesar de acompanhada, sentia-me infeliz e só. Esta "solidão" andava a desgastar-me e acabava por me refugiar nos chocolates... Há cerca de meio ano decidi pôr 1 ponto final nesta relação. Sofri muito mas estou muito mais feliz e deixei de ser "pata". Resultado ganhei aversão aos chocolates e perdi peso:) É preciso muita coragem para enfrentar os nossos medos. Esses macaquinhos que nos atormentam a vida. Já agora leio o seu blog todos os dias antes de começar a trabalhar :)
Ângela

Pedagogia do Terror disse...

Brilhante!

Lili disse...

...
Olá Marta - desculpe o "à vontade"- com que a trato.
Eu sou "aquela" que escreveu há dias que ia - tentar- começar a correr. :-)
3 (Três) quilómetros (zinhos) já cá cantam. Este meu "fantasma" há-de morrer! Yeiiiiiiiiii.
Obrigada pela inspiração.
( E sim custa. E sim deito os bofes pela boca...mas que diabo: tive 2 filhos sem epidural! ) :-)))))))))))))