quarta-feira, 1 de junho de 2016

A recuperar [devagar e com todo o tempo do mundo]



Fotos: Juvenália Oliveira Fotografia


Li este post da Maria Ana e acho que foi escrito para mim.
Tive o meu bebé há 7 dias e estou em pleno pós-parto, com tudo o que isso acarreta: a nova logística familiar, as noites em claro, o cansaço imenso, a tentativa de manter o equilíbrio entre as necessidades do meu filho recém-nascido e as dos três irmãos ávidos de atenção, o meu corpo em estado de ebulição. Estou naquela fase em que já não tenho nenhum bebé na barriga, mas parece que vou ter outro, em que tenho umas mamas parecidas com rodas de camião e em que as hormonas me dão vontade de chorar de cinco em cinco minutos. Não é fácil, mas já sabia exactamente ao que vinha e não me queixo. Ao contrário, agradeço todos os dias e desfruto disto até ao tutano, com a serenidade que a idade e a experiência me dão.
Ainda assim, vejo-me ao espelho e tento policiar os meus pensamentos formatados pela pressão social que recai sobre as mulheres no pós-parto. Durante a gravidez sentia-me linda e agora, de barriga grande, mas vazia, e com peito XXL, não me sinto eu. Não tenho camisolas que me sirvam e as poucas que passam abaixo do pescoço não me favorecem de ângulo nenhum. Sinto o peito dorido destes primeiros dias de amamentação, tenho algumas gretas nos mamilos que ando a tentar sarar, e ainda não posso entrar em grandes intimidades com o meu marido, não porque não pense nisso {acreditem que já penso!}, mas porque as mazelas do corpo ainda não permitem. 
Este cenário não é fácil para nenhuma mulher, e não é justo que lhe seja implicitamente pedido que recupere depressa, quase incólume, a fingir que nada aconteceu. Há que dar tempo ao tempo para o corpo e a mente alinharem novamente e é preciso respeitar o corpo da mulher, durante este período, como um templo comum, dela própria e do seu bebé. E depois, claro, ajuda ter um parceiro que perceba isto e que continue a olhar-nos com a mesma carga de amor e de desejo, porque antes de sermos a mãe dos filhos, somos as companheiras de todas as aventuras. E queremos continuar a ser. Eu, pelo menos, quero.

Há uns aninhos atrás, não publicaria as fotos acima. Dar-me-ia mais uns meses para me mostrar da cintura para cima. Hoje não quero saber. Tenho tempo.

13 comentários:

Sofiazinha disse...

Estás fantástica Marta! Sério que estás.

E tens todo o tempo do mundo. Se por vezes ao falarmos na idade se diz "já tenho X anos", por outro lado é essa idade que nos dá a sabedoria para dizermos "há tempo".

Família muito bonita.

Bjs

Ana disse...

Uma verdadeira inspiração.
Obrigada! E as maiores felicidades nessa tua vida tão linda! :)

Joana Carvalho disse...

Deixe-me dizer que está fantástica e linda!!

Muitos parabéns pelo novo membro da família!!

Felicidades e beijinho,
Joana (do clio azul :) )

Sara Coelho disse...

Normalmente não comento, mas queria dizer-lhe que adoro a simplicidade com que encara a vida...
(Aqui para nós que ninguém nos "ouve", vi as fotos e depois de ler o texto é que tive de voltar atrás para tentar perceber o que queria dizer com "Há uns aninhos atrás, não publicaria as fotos acima. Dar-me-ia mais uns meses para me mostrar da cintura para cima. Hoje não quero saber. Tenho tempo.", é que sinceramente não tinha visto nada que não felicidade e tranquilidade...).
Parabéns e muitas felicidades!!!

Anónimo disse...

Muito tempo.
Esta óptima !

Pink disse...

Olá Marta,

grávida de primeira viagem, ouço constantemente comentários, pior, afirmações, de que não poderei sair de casa no primeiro mês. O teu blog sempre foi uma referência para mim, hoje, com essas imagens maravilhosas de uma família feliz a passear o V. numa tarde solarenga, ainda mais o é.
Obrigada pelas partilhas e sim, estás linda! daqui a uns tempos a barriguinha volta ao que era :)

Anónimo disse...

Desculpe, mas para quem deu à luz há 7 dias está com muito bom aspeto!!!!
Não é preciso "correr" para começar a emagrecer.

Se está tão preocupada em não conseguir vestir t-shirts e, casualmente, andando na C&A (na secção masculina) encontrei, e comprei, t-shirts XL e XXL a bom preço: 2,90€. E bem bonitas, tanto que nem se nota que é uma t-shirt de homem.

Parabéns pela sua família numerosa!

Carla Lopes disse...

Martinha,esta tao,mas tao bonita que so reparei na felicidade estampada no seu rosto.

Curly disse...

Tão verdade isto! Parabéns! E obrigada por partilhar connosco. Está linda, by the way! :)

Anónimo disse...

Adorei a reflexão, a lucidez de saber o que é importante sem estar escrava de imposições/convenções absurdas que só trazem ruído. O mais importante é o amor que vos une e guia, o resto vem com o tempo...Felicidades Marta e família.

Ana Leitão

Bailarina disse...

Sem palavras! Quase que me dá vontade de fazer filhos! Luminosa mesmo, tu e toda a família, aliás!

cheek disse...

Sempre bonita, a barriga é um mal menor no meio de tantos bens maiores! Muitas felicidades para toda a família! P.S = A Marta é uma mulher fantástica

Anónimo disse...

A Marta desperta qualquer instinto :) !!
Parabéns