sábado, 26 de dezembro de 2015

Numa espécie de apneia


Quando descobri que estava grávida e passado o entusiasmo e o pânico iniciais, fui tomada pelo medo de deixar de ser desejada. Já passei por três gravidezes e sei exactamente onde este "estado de graça" me pode levar: a um apetite mais voraz ainda do que o habitual e à impossibilidade de manter uma actividade física regular, com o risco de voltar a ficar de cama muito cedo, como aconteceu na minha segunda gravidez. 
Para atiçar mais ainda os meus fantasmas de deixar de ser querida, tenho 41 anos e o meu corpo não volta ao lugar com facilidade. Já lá vai o tempo em que bastava cortar no pão e nos açúcares durante dois dias, para perder os quilos a mais, e todas as conquistas, nesta fase, são tiradas a ferro. Há sangue, suor e lágrimas, vos garanto. 
Também me assustei com a obrigatoriedade de ter de deixar de correr. Para além da sensação de superação que cada quilómetro  me dava, era assim que exorcizava a culpa e derretia os exageros gastronómicos. Ontem sonhei que corria à beira Tejo e tenho saudades. Muitas. 
Estar grávida pela quarta vez aos 41 anos tem tanto de mágico, como de assustador. Resta-me gerir este tempo com a sabedoria que a idade também me dá: sabendo que há fases irrepetíveis e felizes que devem ser vividas plenamente, sem antecipações virtuais. A vida já me ensinou que há planos que não se fazem. Ela simplesmente acontece e a gente vive-a numa espécie de apneia. Como num mergulho no desconhecido do qual se espera conseguir voltar à superfície, sem mazelas. E melhor que nunca.

8 comentários:

Carolina Melo disse...

É comovente ler este texto. Palavras que nos fazem pensar e desejar o melhor . a sua alegria contagia me mesmo q n esteja a sorrir. Tenho a certeza que o lado menos bom vai dissipar se com o tempo e o amor que os seus lhe tem e que é tão bonito.
Felicidades!
Carolina Melo
www.fragmentosdopensamentoo.blogspot.pt

Ana Raquel disse...

Entendo perfeitamente! Quando engravidei da segunda tinha acabado de sair 10kg do corpo...custou tanto! Em vez de estar feliz só chorava pq sabia que os ia engordar todos... Já recuperei mas demorou 2 anos. Acredito que consigo será mais rápido!

Maggie disse...

Aproveite e cuide-se, o cabelo pelo menos ja carece de uma seria hidratacao, depois passe para a pele, yoga para gravidas, tanta coisa.

Vidas da Nossa Vida disse...

Tenho a certeza que vai correr tudo muito bem, com o equilíbrio e o amor que tens à tua volta e com a maturidade que a idade nos traz. Boas Festas e um 2016 muito feliz!

Anónimo disse...

Confuso....felicidade e gordura? Gravidez e ginastica e feiura? Onde se tocam os temas?

Joana Carvalho disse...

E então??? É menino ou menina???? :) :) Felicidades!

Beijnho,
Joana (do Clio azul)

Anónimo disse...

Tenho 2 filhas , uma de quase 8 anos e outra de 4 anos e meio e tenho 46 anos :D
Fui mãe com esta idade por opção e nunca tive medo ..em relação ao corpo, nem percebo como mulheres adultas se preocupam com tal coisa...

Bailarina disse...

Tão fácil mandar bitaites! As mulheres adultas têm receios, medos, inseguranças. estão felizes mas com dúvidas! Ser mulher adulta é, também, ser capaz de assumir sentimentos que aos outros parecem não fazer sentido!
Tudo de bom