quarta-feira, 3 de junho de 2015

Uma maratona chamada "cabeça"

Não ando a conseguir cumprir o plano da ASICS desde há três semanas.
Trabalho, preocupações, calor, desculpas. Tudo serve para adiar os treinos, quando a vontade de correr teima em transformar-se num oásis. 
Comecei com uma maldita crise de vesícula que me deixou k.o. por uns dias, depois foi o "salto em queda livre" {que um dia explico}, e logo a seguir a constatação da única verdade: a completa falta de vontade para sair de casa e mexer o rabo.
A mania de achar que nenhum plano pode ter desvios leva-me a pensar que está tudo perdido. Que já nem vale a pena continuar esta empreitada rumo à maratona de Outubro, considerando o número de treinos que já não fiz. Mas depois...depois sinto uma vontade súbita de calçar os ténis, colar-me à beira rio e correr. Tenho saudades do tempo que passo metida comigo e com os meus pensamentos, e falta-me a sensação de vitória que os quilómetros nos pés me dão.
Talvez se pensar por etapas. Se pensar nas provas todas em que já estou inscrita, e no prazer que terei em acabar cada uma delas: a Marginal à Noite, a Corrida das Fogueiras e os 25km do Treino Nocturno da Lagoa D´Óbidos {inscrição feita ontem}. Talvez se pensar que o meu campeonato não são os 42km de Outubro, mas este desafio gigante para mim, que é não desistir. Que a minha verdadeira maratona é ter forças para correr ao calor, ao frio, ao vento e à chuva, e que a prova final é continuar a ter lata para mudar de roupa no carro, para correr do trabalho até casa, para fazer mais um quilómetro, quando só me apetece atirar-me para o chão e desfalecer.
A minha maratona não são os 42km de Outubro, mas a relativa facilidade com que ainda penso que seria mais fácil deixar-me de merdas, e ficar no sofá.




2 comentários:

Sol disse...

Quando estabelecemos desafios temos sempre mais vontade e uma grande motivação de lutar por eles. Força, vais conseguir! Bjinho

ddm disse...

Isso sou eu em cada minuto que penso em correr... depois lá vou correndo e cheia de adrenalina imagino que talvez possa correr (para já!) a meia-maratona.
Força! Que tu e a Pedagogia do Terror são o meu Farol! :D