quinta-feira, 30 de abril de 2015

Vida real

Os fantasmas da infância voltam muitas vezes, e é ingenuidade pensar que a idade vai dando conta deles. Não vai. Quanto muito, ajuda a relativizar os buracos negros que eles nos vão deixando, tornando-os mais pequenos {às vezes, quase microscópicos} mas, ainda assim, reais.
Gostaria de acreditar que, um dia, me livrarei desses fantasmas de vez, mas não há ilusão maior que essa.
Resta-me continuar a viver no mundo real. E aguentar o barco dentro de um sorriso que, algumas vezes, não passa de uma caraça.



1 comentário:

Claudia Santos Marques disse...

Força. O seu sorriso é magnífico! Nunca o perca. Gosto muito do seu blog. E sigo-a no instagram.
Beijinhos.