quinta-feira, 28 de junho de 2012

Como boa portuguesa que sou

E pronto.
Ontem foi como toda a gente sabe que foi.
E hoje, a vida de todos nós continua como normalmente, com o calor, a crise, as férias que se avizinham {para mim, pelo menos!}, os filhos, as preocupações e as alegrias de sempre, a rotina.

Hoje foi uma manhã difícil, daquelas em que apetece fazer pouco.
Dói-me o corpo, a cabeça e a alma {um bocadinho}, porque o nosso momento de glória depois dos Descobrimentos, nunca chega. Nem no Futebol. Nem quando o melhor jogador do mundo é português. Nem quando jogamos bem. Nem quando só é preciso sorte. Nem assim. Ficamos sempre perto, mas nunca acertamos no ponto.

E como boa portuguesa que sou, resigno-me a este triste fado.
E continuo a minha vidinha a achar que não envergonhámos ninguém.
E que até podíamos ter ganho. E que foi azar, simplesmente.
E no Domingo, lá estarei a gritar por "nuestros hermanos". Eu e o meu bairro em peso, porque tenho o Instituto Espanhol à minha frente e uma comunidade de espanhóis à minha volta.
E é isto. Comer e calar.
Como boa portuguesa que sou.

MM
 

2 comentários:

homem sem blogue disse...

Um pouco a brincar, é a realidade do nosso Portugal

homem sem blogue
homemsemblogue.blogspot.pt

MM disse...

É, de facto.

Um abraço,