sábado, 26 de maio de 2012

Coisas de Mãe

Quando digo que sou mãe de 3 filhos, ouço muitos comentários de como já tenho muita experiência, e de como já não devo ser assolada por grandes dúvidas existenciais sobre o exercício da maternidade.
Afinal de contas, já não me aflijo com as pequenas quedas, já não acho que a falta de apetite ao jantar é sinal de que a criança vai morrer à fome, nem entro em pânico de cada vez que vem uma febre, ou que passam 3 dias da data prevista da vacina. Talvez devesse preocupar-me, mas já não.
Contudo, é à medida que os miúdos vão crescendo, que as preocupações e os desafios se vão multiplicando. E não é por ser mãe de um trio que a coisa acalma. Ao contrário.
Se antes as minhas dúvidas se centravam na minha (in)capacidade para que todos sobrevivessem sem frio, nem fome [qual mãe leoa], agora a fasquia elevou-se e passei a preocupar-me com a minha (in)competência para torná-los adultos seguros, felizes, realizados, autónomos.
Porque se não forem, a culpa é com certeza minha. E todas as psicoterapias que vierem a fazer na idade adulta, serão porque falhei como mãe.
Porque não me dei o suficiente, porque não abracei o suficiente, porque não disse "não" o suficiente, porque não acolhi o suficiente, porque não contrariei o suficiente, porque não cedi o suficiente e porque não ralhei o suficiente.
Basicamente, tudo o que os meus filhos forem [ou não forem], terá sempre que ver comigo.
Porque eu sou o centro do universo da vida de cada um deles.
E, quem sabe, sou o centro do universo do próprio universo, que mal se aguentaria de pé sem a minha existência.
Acho que é por isto que gosto tanto de ter este blog.
Porque quando leio o que acabei de escrever, descubro quão extremistas e egocêntricas nós, mães, podemos ser.
E percebo que marcarei os meus filhos para sempre, mas  não determinarei todos os seus sucessos, nem todos os seus fracassos.
Simplesmente porque sou apenas Mãe.
Não sou omnipotente, nem omnipresente.
Sou o melhor que posso, e acho que isso lhes vai chegando.

MM

3 comentários:

Helena Barreta disse...

Excelente texto. É um privilégio conhecer este blog.

Na educação dos filhos talvez se possa falar de uma certeza, é que cada uma de nós faz o melhor que sabe e com a convicção de que é o melhor para os filhos.

Um abraço apertadinho

Anona Limão disse...

Gostei muito deste texto, ainda não sou mãe, mas acho que vou ter as mesmas preocupações!

também tenho um blog recente, mais virado para a cozinha. www.anonalimao.wordpress.com

um beijinho e continue!

MM disse...

Helena, é um privilégio tê-la como leitora.
Um grande beijinho