quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Anjos da Noite

Espera-se uma vaga de frio glacial para esta noite.
O meu computador marca 6ºC, mas calcula-se que a temperatura vá descer drasticamente nas próximas horas.
Estou no quente e no aconchego da minha casa.
Tapei os meus filhos e enchi-os de mantas, peúgas e beijos.
Fechei todas as janelas e corri os cortinados.
Estou confortável e segura.
Lá fora, contudo, bem perto desta minha realidade quente, vive outro cenário.
O de algumas pessoas (que são sempre demasiadas), sem casa, nem beijos.
Sem chá quente, nem janelas, nem gente.
Gente sem nada.

É por isto que tiro o chapéu a todos os "anjos da noite".
Todos aqueles que saem das suas casas para aquecer alguém. Nem que seja com um sorriso.
Conheço alguns.
Obrigada por existirem.

MM


4 comentários:

Pedagogia disse...

O conforto é realmente uma coisa que não é universal...mas nem sempre nos apercebemos disso...

Anónimo disse...

No meio do conformismo existente, nem nos damos conta da imensa sorte que temos...

Juvenália disse...

Ontem percebi que muita gente se refugia na Estação do Oriente para dormir abrigada e fiquei especialmente perturbada com um jovem que foi entrevistado, exactamente por causa do frio. O discurso bem construído e a aparência física contrastavam extraordinariamente com a situação em que parece viver já há algum tempo e que parecia encarar com toda a naturalidade. Como mãe e cidadã questionei-me sobre o que levaria aquele jovem a viver naquelas condições… e, inevitavelmente, todas as possíveis respostas me incomodaram tanto quanto a situação em si mesma…!

Teresa disse...

Eu quando está frio e chove,deitada na cama quentinha,lembro-me muitas vezes de quem está na rua! É uma sensação horrível!