terça-feira, 28 de outubro de 2014

Por estes dias

A luz entra pela janela do quarto adentro e não a sinto na cara, nem nos olhos, nem em parte nenhuma do meu corpo.
Acordo devagarinho com medo de agitar a tristeza da madrugada, mas ela desperta depressa demais. Como se estivesse à espreita de um sinal qualquer para se agigantar. Para me asfixiar o peito.
Dou-me um tempo na cama antes de entrar nas rotinas. Deixo-me ficar a lamber as feridas. A organizar ideias e, se necessário, como numa espécie de purga, a chorar um bocadinho. A lavar a alma.
Depois...depois a vida continua lá fora. E eu também não posso parar, que há quem me espere.
Enxugo as lágrimas e ponho o meu melhor batom vermelho.
A vida espera-me com tudo o que tem dentro. E eu...eu não lhe posso faltar.

5 comentários:

Andy Marshmallow disse...

Acima de tudo não és tu que não podes faltar a vida. Tu não te podes faltar a ti!
Um beijinho minha querida!
E deixa as lágrimas lavarem a alma, que vai crescer uma linda flor!
:)
Grande Abraço Apertado
Andy

Anónimo disse...

Força, tem gente deste lado a torcer para que tudo corra bem :-)
O chore à vontade que faz taoooo bem à alma.

Papoila disse...

Que a luz seja sentida e reconfortante em breve :*

filipa vasconcelos disse...

Não estou habituada à tua tristeza. Mas estou habituada à tua coragem. E nunca deixas de escrever tão bem... beijinho

CCF disse...

Tristeza também faz parte da vida, só os tontos estão sempre alegres.
~CC~