terça-feira, 20 de maio de 2014

"As mulheres não sabem estar caladas" em Oeiras

Ando a pairar sobre a minha própria existência há umas quantas semanas.
As emoções têm sido tantas que não tem dado, sequer, para grandes reflexões, coisa que preciso fazer com regularidade para me centrar. Um bocadinho como quando me levanto da cama de manhã, e assento bem as plantas dos pés no chão para lhe sentir firmeza. Sou assim, de manias.
O reboliço tem sido grande, senão vejamos:
Se no dia 9 de Maio casei, na véspera lancei um livro. Um sonho que {tal como disse nas palavras do momento}, é mais mágico ainda, quando partilhado e, neste caso, com duas amigas cheias de talento e com uma generosidade na amizade que me têm, que me emociona. Sou uma mulher distraída, mas acho que não há muito disto por aí.
O momento desconcertou-me por muitas razões: porque casava no dia seguinte, porque foi vivido a três, porque apareceu muito mais gente do que estava à espera, e porque estiveram presentes amigos desta e de outra vida. Amigos que fizeram questão de me dar um abraço apertado e que com ele, disseram tanta, mas tanta coisa. Mais do que qualquer palavra.
Gostámos tanto disto, que no próximo dia 22 de Maio, pelas 18H, lançaremos o livro em Oeiras, terra onde todas trabalhamos e moramos.
Para quem não conseguiu estar presente no dia 8, e para quem gostou TANTO que quer repetir a experiência, apareça!
E já agora, espreite aqui.


3 comentários:

Cátia Adriano disse...

Que pena acontecer mais uma vez a horas impossíveis para mim... As maiores felicidades. Beijinhos,
Cátia Adriano

Cláudia disse...

parabéns por tudo!

Escrever Fotografar Sonhar disse...

Adorava ir como deve ser, com tempo e sem peripécias, mas acho que desta vez não vai dar...