terça-feira, 1 de outubro de 2013

Dos {meus} saltos quânticos

Não gosto de confrontos nem de mal entendidos.
Sempre fugi de discussões e muitas vezes me escudei numa suposta "imparcialidade", só para não ter de defender posições junto de terceiros que pudessem minar um ambiente aparentemente harmonioso. Mesmo que só aparentemente. Afinal, viver num mundo de aparências às vezes dá jeito. Ajuda-nos a evitar o mergulho de cabeça, mesmo que o preço a pagar seja afastarmo-nos da nossa verdade.
Fiz muita terapia, chorei muitas lágrimas e fui dando gritos do Ipiranga aos solavancos, alguns com pezinhos de lã e outros {mais recentemente} de megafone, como quando tomei a decisão de me separar do pai dos meus filhos e seguir em frente. Com todas as consequências que uma decisão destas acarreta.
Hoje em dia, depois de ter descoberto que há confrontos que têm finais felizes, começa a custar-me menos agarrar o mundo e apropriar-me dele.  
Vou perdendo o medo de ocupar espaço e de fazer barulho, porque a duras penas percebi que se não o fizer, corro o risco de me perder de mim própria.

Hoje, por razões que não irei aqui partilhar, dei mais um salto a caminho da minha liberdade. E só por essa razão, está a ser um dia bom.
Atrevam-se a dar os vossos "saltos quânticos" de vez em quando. O Universo tem destas coisas: ampara quando estamos a cair na direcção certa.


2 comentários:

Pedagogia do Terror disse...

Vou inspirar-me em ti para "dar os meus saltos"...

R. disse...

me too...