segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Dos nós que têm que ser desatados

Há dias assim. Tristes.
Dias em que por mais que o sol entre radioso pela janela, vemos sombras escuras por todo o lado.
A única forma de fintar as trevas é convertê-las em energia boa. Em beijos doces a quem amamos, em telefonemas a quem temos faltado, em abraços apertados a quem tocamos pouco. 
Os nós que vamos enlaçando ao longo da vida são para desatar hoje. Que o amanhã...o amanhã nem sempre chega.

{Para ti, minha amiga}

5 comentários:

Rekinh@ disse...

gostei muito, esse é o truque finta-los com coisas positivas :)

passa no meu e se quiseres adiciona
http://vagueios-devaneios.blogspot.pt/

Helena Barreta disse...

Sim, não podemos dar o amanhã como garantido. Há que não deixar para amanhã os abraços, as palavras, os mimos, seja o que for, para amanhã.

Um abraço apertado

Marisa Luna disse...

Lindas e sentidas palavras!
Beijocas fofas

Manjerica disse...

Sabes o que é que me faz passar aqui todos dias? A tua capacidade de imprimires nas palavras aquilo que é a vida real! É que nem sempre há pachorra para o "cor-de-rosinha de uma vida mais que prefeita". Gosto de ti, Marta, do que escreves e acima de tudo, sentir que és uma mulher feliz, não obstante as imperfeições da vida.

Quel* disse...

O amanhã nem sempre chega, que grande verdade.