terça-feira, 18 de setembro de 2012

Presentes para a vida

Às vezes tenho a sensação de que tudo aquilo de que fugimos, acaba sempre por nos apanhar. Mais cedo ou mais tarde.
E que remédio temos senão acolher a coisa, enfrentá-la com coragem e alguma dose de descontração, porque não corre melhor se nos levarmos demasiado a sério.
Este tem sido o meu exercício das últimas semanas. E custa a valer, porque me obriga a confrontar-me com alguns medos enraizados e a superar-me mais um bocadinho todos os dias.
Sei que já não estou na estaca zero porque consigo ter boas noites de sono {apesar das preocupações} e também já não me sinto engolida pela angústia.
E porque estas são pequenas, mas verdadeiras vitórias, agradeço a quem já não vejo há mais de um ano  mas que me ensinou a sentir-me inteira, sempre e apesar de todas as circunstâncias.
Obrigada J., por me ter ensinado a equilibrar-me nos meus próprios pés.
Um presente para a vida.
 
MM

1 comentário:

Flor Guerreira disse...

Se não te segurares nos teus próprios pés não te seguras em mais lado nenhum!