domingo, 22 de julho de 2012

Carta aberta aos meus filhos

Meus Amores,

É verdade que há dias em que grito demais. Que me irrito demais. Que padeço de tolerância zero e que me canso {e que vos canso} demais.
Há dias em que brinco pouco e outros em que me rio pouco, porque nem sempre o dia para trás deu vontade de rir.
É verdade que nem sempre ouço tudo o que têm para me dizer, e que nem sempre consigo olhar-vos nos olhos enquanto terminam todas as frases, porque o telefone toca, o jantar queima, os TPC´s têm de ser feitos, e a paciência já se esgotou.
Há dias que em que não vos dou todos os abraços que merecem, nem todos os beijos que preciso dar-vos. E há outros em que penso que daria tudo {ou quase tudo} por apenas uma hora de paz e sossego.

Na verdade, há sempre dias em que não sou a Mãe que quero ser.
Em que me sinto longe da fantasia que montei na minha cabeça - a de uma mãe sempre paciente, sempre feliz e realizada, sempre calma e adequada.
Há dias assim. Em que acho que faço tudo mal.
Mas de uma coisa podem estar certos:
O vazio da vossa ausência dói. E o silêncio que fica, às vezes, torna-se ensurdecedor.
Obrigada por ampliarem o meu coração todos os dias.

MM





11 comentários:

Maggie disse...

querida mm posso assinar em baixo da sua carta e enviá-la tbém ás minhas filhas?

Bjos e mtas felicidades
Maggie

MM disse...

:=) Maggie, esse é um dos melhores elogios que já recebi.
Um grande beijinho e obrigada!

Cristina Oliveira disse...

Incrivel... cabe em mim que nem uma luva... embora com mais tristeza pois cá em casa há só uma Frederica, e o "desgate", esse provavelmente não devia ser tão intenso!

Beijinhos catitas Maggie!

MM disse...

Obrigada, Cristina. :=)
Acho que todas nós, em determinadas circunstâncias da vida, vamos sentindo isto, não é?

Muitos beijinhos

Incógnita disse...

É reconfortante ler/saber que há alguém que sente o mesmo que nós. Obrigada por me fazer sentir um pouco mais "normal".

Vou partilhar este texto com o devido link.

Anónimo disse...

Perfeito... Quando lemos uma carta dessas o coração respira melhor... Porque além de nos enxergarmos.. Sabemos que não somos unicas...
E que o amor sempre vence...

Flor Guerreira disse...

Enfiado que nem uma luva!

Sra. Mamma Monstro disse...

Há dias em que acho que há mais dias como a mãe que me desaponta do que como a que idealizei. Há dias em que duvido que me amem mesmo que digam. Penso que é para me agradar e a bronca passar mais depressa... Há dias em que acredito nisso piamente. Nos poucos dias que restam entre um e outro desses dias, os amo como eles jamais poderiam acreditar depois de ter sido isso tudo de errado. Obrigada por dividir esse sentimento. Sua carta serve, acredito, para todas as mães que não têm medo de reconhecer as falhas. E para as que tem também. Bjs da Mamma
www.amammaeomonstro.blogspot.com

Alex disse...

Maravilhoso este post. Obrigada por partilhar. Alex do http://floresecoreseamores.blogspot.pt

MM disse...

Obrigada a todas as leitoras deste post.
As vossas palavras também me reconfortaram muito.

Um grande beijinho

vidasdanossavida disse...

E custa tanto quando não somos as mães que queremos e que eles merecem? Quando eles estão sedentos de nós e nós não lhes podemos dar a devida atenção? quando expludimos num raspanete por uma coisa sem importância? Andamos a 2 mil à hora e nem sempre conseguimos ser quem gostaríamos e isso custa... a nós e a eles.