domingo, 10 de janeiro de 2016

Eu, grávida-preguiçosa me confesso!



Saber-me grávida foi a melhor desculpa de todos os tempos para me sentar à sombra da bananeira e vegetar. As restrições médicas para correr e os meus receios infundados de perder o bebé nas "sessões de tortura" com o PT Rodrigo Ventura, foram o mote que precisava para parar completamente. E instalada no alto da minha confortável preguiça, assim permaneço até às 18 semanas de gravidez.
Acontece que o alívio dos primeiros tempos foi dando lugar a dois males ainda piores: as saudades parvas de correr ao lado do Tejo e de sentir o vento e a chuva na cara, e a culpa de passar a vida a arranjar desculpas esfarrapadas para adiar nova sessão com o Rodrigo.
Apesar disto, continuo parada, paradinha. É verdade que subo muitas escadas para trabalhar todos os dias, porque estou num sotão de um palácio. E também é verdade que ser mãe de três filhos, e grávida do quarto, não permite grande "preguicite aguda". Ainda assim, dou por mim fartinha de não me mexer, a ver-me crescer de barriga e de mamocas {sem volta a dar}, e noutras direcções, essas sim, desnecessárias.
A ver vamos.

2 comentários:

Sofia F. disse...

Parabéns pelo filhote que vem a caminho :)
É engraçada essa "contradição" entre o viver a justa preguicite e o tentar manter o exercício físico como parte de uma rotina saudável. Eu também passo por essa luta todos os dias (e não estou grávida) de optar entre as duas coisas ;)
Acho que é mal comum. :)

natalia rodrigues disse...

Parabéns, esta uma gravida linda, esse sorriso diz tudo.