quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Em recuperação

Na segunda-feira, com a Sara Dias, quase a dizer-lhe que preferia parir o 4º filho


O 1º dia depois do trail com saltos [um acontecimento]

Depois do trail de Sábado fiquei praticamente sem andar. Para além das dores musculares aterradoras {já tive muitas, mas juro que nunca nada parecido!}, fiquei com o joelho feito num oito.
Este estado, diz o meu coach/marido, é fruto de muita asneira, naturalmente. Pouco treino, pouca hidratação antes e depois da prova, nenhum reforço muscular a par da corrida, e por aqui continuaria num infindável rol de disparates que me fazem pensar muito a sério sobre tudo isto.
Não, não quero parar de cometer loucuras destas. Já me tinham dito que o trail é como um bicho que se infiltra em nós e que não nos larga, qual parasita, e eu concordo. Como dizia uma companheira de jornada, ninguém entende esta espécie de "masoquismo" que nos causa dor e sofrimento, mas que sabe bem.
A verdade é que tenho que me cuidar mais e tentar fazer as coisas bem feitas, se quero continuar. Até lá, trato uma contratura do joelho com a Naturopata Sara Dias, a quem agradeço a "sova" de segunda-feira e o facto de já conseguir dar dois passos sem gemer.

[hoje foi o primeiro dia, depois do trail, em que arrisco saltos altos...compensados, vá. Sinto-me outra, caramba! Manca, mas outra]
  

1 comentário:

Sofia Mendes disse...

Opá mesmo com as descrições maléficas e os saltos que doem e afins, deste-me uma vontade de me meter nessas aventuras. Parti um pé no final de Abril e ainda estou em recuperação, sem poder correr e depois venho aqui e ai meu deus!!! Fico cheia de vontade de sair disparada na corrida, a falta que faz na vida duma pessoa!!! E agora, sem correr como resolvo as minhas neuras? hheheh Abraço :)