domingo, 12 de julho de 2015

O meu livro destas férias


Deixei de lado o mais novo do Pedro Chagas Freitas e acabei por substituí-lo por este livro, que comprei num impulso no Continente, porque queria muito ter visto o filme que, não sei como, me passou no cinema.
Foi preciso chegar a esta provecta idade para perceber a literatura que me interessa, embora saiba que o interesse depende sempre da fase da vida e da dose de inspiração que vamos precisando em cada momento.
Ainda assim, gosto sempre de histórias de vida, daquelas que implicam mudança no curso clássico das coisas. Inspira-me saber de gente que fez caminhadas, umas literais outras menos, rumo a si próprias, tantas vezes contra tudo e todos. Pessoas de carne e osso que ousaram romper o que manda o figurino e zarpar, ainda que "zarpar" signifique apenas escapar da malha instituída, que pode ser casar e ser feliz para sempre, seguir uma determinada profissão, comer gelado de morango a vida toda, não interessa. Todos temos as nossas anilhas, umas mais visíveis que outras, e todos, nalgum momento da vida, sonhamos com o momento de liberdade. Ou não?
Este livro, cujo título original é o que faz jus à obra - "Wild - A Journey from Lost to Found", é a história de uma mulher que larga tudo para se reencontrar. E se o seu "reencontro" foi no meio da natureza em estado puro, o de cada um de nós pode ser exactamente no ponto onde nos encontramos, num caminho interior que, ainda assim, vem cheio de espinhos, precipícios, ervas daninhas e animais selvagens. Os fantasmas da nossa caminhada, quer seja nos trilhos, na cidade, na nossa cabeça, têm muitas formas e cores, mas servem sempre o mesmo propósito: tornar-nos mais fortes e algo imunes às opiniões alheias. Àquelas que só fazem eco dos nossos medos e que não acrescentam.

Se quiserem fazer uma enorme viagem, escolham este livro para as vossas férias.
Eu já fiz parte da minha. De resto, vou fazendo várias todos os dias.

[se conhecerem outros livros do género, avisem]


3 comentários:

afs disse...

O livro deixou-me curiosa e acho que será uma mais valia neste momento da minha vida. Quanto a livros do género, o Into The Wild que certamente conhece

Filipa disse...

Olá (sou a "vizinha" do teu pai que vos viu outro dia).
O filme não passou em Portugal, desafortunadamente. Adoro o estilo, já li o livro e o melhor do género que li até hoje e que não sei se ainda arranjas à venda é o "Trilhos" da Robyn Davidson. É absolutamente maravilhoso, li-o há uns 15 anos e ainda me lembro do quanto gostei. A autora tem outro passado na Índia que é demasiado descritivo e não me cativou quanto este para avançar. Mas experimenta, explora-a. o Into the Wild é também muito bom. Adoro coisas do género e agora peço eu: se conheceres mais, partilha por favor :-)

Anónimo disse...

O filme não é grande coisa. Não li o livro. Ao contrário do Into to the wild que gostei muito mais do filme que do livro, que achei maçudo