terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Actividades extra-curriculares [da loucura dos nossos dias]

Sempre que saem da escola, os meus filhos reclamam com as actividades extra-curriculares que se seguem.
E eu, como boa mãe que sou, explico as vezes que forem precisas que é importante terem actividades para além da escola, que têm de aprender a nadar, que a Catequese tem que durar pelo menos mais um ano, que passar o final de dia a ver o "Sol de Inverno" não é solução, que não se desiste a meio de nada, blá, blá, blá.
Acho que consigo ser convincente nestas explicações diárias. Desdobro-me em idas e vindas {que são sempre vezes três, não esqueçamos}, e sou mestre na arte de encontrar fundamentos altamente pedagógicos para nos convencer, a todos, que a minha decisão - esta, de todos terem actividades depois da escola - é a mais acertada.
Apesar disto, há dias em que não tenho certezas de nada. Dias em que me parece mais pedagógico acabarmos juntinhos, à lareira, a ver o "Sol de Inverno", a comer Chocapic e Nestum com Mel sem pressas, e a não fazer nada a não ser descontrair da correria do dia inteiro. O jantar corre mais calmamente, deitamo-nos todos mais cedo e as histórias da noite, contadas com tempo, sabem a mel.

A verdade estará algures no meio. Como quase todas. E eu flutuo entre o rigor de ensinar os meus filhos a levarem compromissos até ao fim, e a necessidade de quebrar alguma regras no meio do caminho.
No fundo, o equilíbrio da vida, à escala.




4 comentários:

Anónimo disse...

Ai Marta como te compreendo!
Isto de Educar é difícil, muito difícil, a minha agenda está lotada, os meus filhos só tem a 3ªfeira livre... eu só tenho a 3ªfeira livre é uma correria...

Às vezes pergunto-me se isto é saudável para eles e para mim...
verdade, nós vivemos no campo e todas as atividades são associadas a uma serie de Km...

Bem Marta esta minha mensagem não ajuda é apenas para saberes que não estás sozinha, nem nas atividades nem nas incertezas...

:) Paula

Ana disse...


Pois é Marta.. os equilibrios nem sempre são fáceis de encontrar.. educar parece sempre mais fácil quando são os outros!!

Paula Ferrinho disse...

E é mesmo assim, Marta! A verdade estará mesmo algures no meio, sem fundamentalismos exagerados e com uma vontade (e sabor delicioso também)de, às vezes, transgredir a norma! Assim sim, seremos mais equilibrados, seguramente...
Ah, e boa sorte com o Sr. Piolho, que é chato, chato....
Beijinhos!

Mam my disse...

O valor da regra está na existência da excepção.
;)