quinta-feira, 18 de julho de 2013

Prazeres da idade

Tenho 39 anos de idade e nunca apanhei uma piela, uma valente bebedeira, uma tosga de caixão à cova, uma cardina. A sério que não.
Assisti a muitas de perto e aturei umas quantas, também. Nos tempos da faculdade amparei colegas deslumbradas com a repentina liberdade na cidade grande, segurei umas quantas cabeças perto da sanita dos jantares de caloiros e cheguei a salvar cabelos longos e loiros de serem sugados pelo autoclismo.
Fiz conversa da treta com quem já não estava em condições de trocar duas palavras com nexo, beijei algumas bocas com hálito a cerveja {beijos bons, devo dizer}, e tive o meu primeiro desgosto de amor quando soube que fui trocada por uma colega de turma numa visita de estudo, depois de uma alegada bebedeira de ambos {do meu namorado da altura e da dita, claro está}.
Acampei em Vila Nova de Milfontes e percorri, com os meus companheiros de jornada, as capelinhas todas da terra, até que todos se enfrascassem à séria. Não bebi uma gota e diverti-me à brava. Talvez mais que os restantes, que acordaram mal da cabeça e das vísceras.
Fiz uma viagem de finalistas a Benidorm no 10º ano e assisti a {quase} todo o tipo de excessos, mas nem aí me deixei tentar, que sempre gostei de estar na posse de todas as minhas faculdades.
Hoje em dia, com esta provecta idade e com três filhos, descobri o prazer de beber um bom vinho tinto com o meu homem na nossa cozinha, depois de um qualquer petisco improvisado e já com os miúdos ferrados. Ou um lambrusco rosato gelado, a ver o Tejo da nossa varanda.
Também descobri, finalmente, o prazer de beber uma taça de vinho rodeada de amigos. Bons amigos e bom vinho, naturalmente. Aqueles amigos que riem connosco e que têm mundo para contar; o mundo lá de fora e o que se faz da cumplicidade das verdadeiras amizades. E aquele vinho que não sabe a papéis de música {como diz a minha mãe}, e que não nos arruína a manhã seguinte.
Foi preciso chegar a esta provecta idade e já com três filhos no currículo, para tirar partido dos prazeres da vida sem medo de me perder neles. 
E conquistas destas só chegam com a idade. Abençoada.

4 comentários:

Katy Single disse...

Só agoraaaa???? Nunca tomou uma piela???? Devia de ter vergonha! ahahahaha menina bem comportada!

Paula Ferrinho disse...

Tenho que comentar... como me revejo nas suas palavras!!! Sempre me diverti à grande, era popular entre os amigos, acompanhava-os pra todo o lado, mas de facto, já sabiam que não me conseguiam fazer beber aquilo que não gosto, não por qualquer pudor mas só porque não gosto mesmo! Agora, já adulta e mãe de três filhos, descubro, também aos poucos, o prazer "social" de algumas (poucas, ainda!) bebidas e é tão bom termos essa "degustação" amadurecida, calma, sem pressas, sem ânsias de que o "mundo acabe", com os amigos, ao sabor de uma boa e longa conversa... É assim, a idade será mesmo um posto, ou será que éramos só miúdas determinadas?
Um beijinho!!

Melancia disse...

ficou tão giro o teu cantinho!
parabéns pela mudança! um mimo!

Anónimo disse...

Eu tenho 40 e também nunca aapanhei nenhuma piela e não é por isso que tenho sido menos feliz.
Um beijinho continue assim feliz e de bem com a vida
Filomena